2005/08/20

POESIA

É impossível não amar e não referir o poeta dos amantes, do amor, o grande Neruda, que sempre me acompanhou e adoro ler.

Para ti...

Vês estas mãos?
Mediram a terra, separaram os minerais e os cereais,
fizeram a paz e a guerra, derrubaram as distâncias
de todos os mares e rios,
e, no entanto, quando te percorrem a ti,
pequena, grão de trigo, andorinha,
não chegam para abarcar-te,
esforçadas alcançam as palomas gêmeas
que repousam ou voam no teu peito,
percorrem as distâncias de tuas pernas,
enrolam-se na luz de tua cintura.
Para mim és tesouro mais intenso de imensidão
que o mar e seus racimos
e és branca, és azul e extensa como a terra na vindima.
Nesse território, de teus pés à tua fronte,
andando, andando, andando, eu passarei a vida.


Pablo Neruda

4 Comentários:

Blogger mfc disse...

Mãos que trabalham e amam nas palavras fantásticas de Neruda.

22/8/05 13:33  
Blogger AlmaAzul disse...

Muito bom gosto ;)!
***azuis

4/9/05 16:15  
Blogger Label This! disse...

MFC: Neruda é Neruda, nada mais se pode dizer do génio! :)

12/9/05 13:53  
Blogger Label This! disse...

Alma: Obrigada! :))

12/9/05 13:54  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial