2006/12/01

TRIBUTO

Ao longo da muralha que habitamos
Há palavras de vida há palavras de morte
Há palavras imensas,que esperam por nós
E outras frágeis,que deixaram de esperar
Há palavras acesas como barcos
E há palavras homens,palavras que guardam
O seu segredo e a sua posição

Entre nós e as palavras,surdamente,
As mãos e as paredes de Elsenor

E há palavras e nocturnas palavras gemidos
Palavras que nos sobem ilegíveis À boca
Palavras diamantes palavras nunca escritas
Palavras impossíveis de escrever
Por não termos connosco cordas de violinos
Nem todo o sangue do mundo nem todo o amplexo do ar
E os braços dos amantes escrevem muito alto
Muito além da azul onde oxidados morrem
Palavras maternais só sombra só soluço
Só espasmos só amor só solidão desfeita

Entre nós e as palavras, os emparedados
E entre nós e as palavras, o nosso dever falar.


Mário de Cesariny


O mundo ficou mais pobre... Perdeu a palavra mágica mais um dos seus emissores, mais um dos seus gratos admiradores... As palavras deste homem acompanharam grandes momentos da minha vida, gostava dele com a solenidade grata de o poder ler e desfrutar. Não lhe chegarão os tributos, os discursos, as comendas e as cerimónias... ele teve o dom supremo de saber manejar a arma mais poderosa: a palavra, e eu agradeço-lhe por isso, porque muitas vezes, nas lacunas das minhas, empreguei as dele, onde tantas e tantas vezes me revi.

Cesariny, somente.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial